Tuesday, November 21, 2006

A Croma Moscarda

No liceu, a minha melhor amiga era a T.. Andávamos sempre juntas, passávamos horas ao telefone, dormíamos em casa uma da outra, partilhávamos tudo e até tínhamos uma linguagem em código para passar bilhetinhos nas aulas sem ninguém perceber o respectivo conteúdo. Um belo dia ela achou que também podia partilhar o meu namorado e eu encontrei-os aos beijos. Menos "moderna" que ela, eu fiquei mesmo muito chateada com os dois e, à boa maneira liceal, "nunca mais lhes falei". Uns anos mais tarde, já eu estava no 2º ano da Universidade em Coimbra, entrou ela como caloira - ela entretanto tinha chumbado. Procurava um quarto. Coração de manteiga como sou, lá fiz as pazes com ela e aluguei-lhe um quarto na minha casa. Mas a amizade nunca voltou a ser a mesma e eu, finalmente, percebi que ela não primava muito pela inteligência. Começou logo na praxe dela: quando lhe perguntaram "Qual é a sua graça?" ela ficou à toa e esteve mesmo para começar a contar uma anedota!! Sorte a dela que não lhe ocorreu nenhuma. Lembro-me de ter apontado num papel, com a minha irmã, as várias gaffes e calinadas que ela ia debitando ao longo dos 10 meses que lá esteve em casa. Agora gostava de encontrar esses apontamentos, porque certamente não me lembro de todas as gaffes - e eram muitas e hilariantes! Uma delas provocou-me um verdadeiro ataque de riso: Estava eu a cozinhar e precisei de uma especiaria qualquer que não tinha, logo fui ao armário dela procurar. E dou de caras com um frasquinho de pó castanho, com uma etiqueta que dizia: "Noz Moscarda"!!! Depois de calinadas como "mulétes" (omeletes), andames (andaimes), ou berrequim (berbequim), a noz moscarda era a cereja em cima do bolo! Pelo menos daquela semana...

3 comments:

IceTeaAddict said...

Bem-vinda à blogosfera.

O blog está óptimo, continue. :)

Vostradeis said...

Muito bom, Elle, muito bom!
Já tens link no Núcleo Duro, e daqui a pouco também nos meus outros blogs...
Beijos!

M. said...

Isto é que tu me saíste uma bela "croma" !

Divulgas assim as famosas calinadas da nossa amiga T.

Safada...

Já agora, vê lá se reencontras o papel de apontamentos :)
A malta ia gostar de rir

Beijos M.